Pular para o conteúdo principal

gatos no telhado

Durante as comemorações do FIQ, o 8º Festival Internacional de Quadrinhos, em Belo Horizonte, tive o prazer de participar de uma oficina de aquarela ministrada pela Julia Bax, uma das melhores aquarelistas em evidência, na atualidade, na minha opinião.


Queria e ainda quero, cada vez mais, me especializar nessa técnica que, há anos, escolhi como minha irmã. E aprender mais através de novos olhares, de tantos aquarelistas, tal qual como os da Julia, que me fez abrir os olhos para um outro lado da aquarela que eu ainda não havia explorado. Ou nem havia me atinado, mesmo sabendo que é fundamental.

Quando ela nos apresentou seus originais eu percebi que eu sempre estive muito agarrado à minha arte estilizada, minha ilustração de livros infantis, meus cartuns, minhas histórias em quadrinhos... E percebi que, para se aprender mais e melhor, era necessário avançar um pouco mais e ir onde o desenho de observação (que eu já praticava mas não arriscava aquarelar) poderia me levar.

Foi isso: saí de lá empolgado, tirei muitas fotos da cidade de BH, de cenas urbanas, cotidianas, prédios novos e antigos, viadutos, gente dançando na rua; e daqui da minha cidade, também. Até mesmo de lugares pelo caminho, da janela do ônibus. E fotos das avenidas lotadas de carro, à noite, com seus faróis refletidos no molhado da pista... e decidi que pintaria todas as minhas fotos, em aquarelas, como forma de estudar.

Esse processo é importantíssimo, estudar e enfiar a cara, cair de cabeça em todas as etapas de qualquer técnica que se deseja dominar é a melhor forma de se aprender, não tem jeito. E já se é sabido que o desenho de observação, o olhar, as cenas reais com sua iluminação natural, é mais do que um privilégio para o artista se encontrar em qualquer técnica que deseja buscar e grandioso para seu aprendizado como, também, desenhista.

Sim, claro, partirei para a observação in loco, também. Mas, primeiro, preciso aquarelar em estúdio pra me familiarizar com o processo.

Assim sendo, posto aqui a primeira de todas deste processo. Minha visão de um telhado de um casebre aqui do meu bairro, visto de cima de um muro, nos fundos de minha casa.

Espero que agradem e lhe conto que vou melhorar. Aquarela é infindavelmente um aprendizado. E, inconfundivelmente a técnica de pintura mai difícil do mundo, não tenham dúvidas!




Postagens mais visitadas deste blog

composição, cores quentes e frias, iluminação e clima.

Por mais simples que seja, sua arte pode ficar ainda mais rica quando se tem todo um propósito estético em cada aresta.
O que mais me chama a atenção nessa imagem foi o fato deu a tê-la desenhado em rascunho, no sketchbook, sem a mínima pretensão de criar esse clima todo em torno do momento apresentado. Mas, quando pensei em pintá-la, já comecei a dar forma, em pensamento, à sua atmosfera.
Na composição, de cara, temos uma luminária externa no centro exato da cena. O ambiente é noturno e só se percebe isso pela iluminação que nos mostra a noite estrelada ao fundo. À direita temos um close fechado nos detalhes de um pedaço de muro e uma janela (supostamente uma casinha de esquina), iluminada pela luz artificial. Percebe-se que a luminária substitui a luz da lua e cria sombras projetadas na parede da casa em cima de cores quentes, propositadamente, para aquecer um ambiente frio, mostrado pelas mangas compridas da blusa da personagem. Por fim, podemos perceber as duas metades da composição …

a importância da qualidade das ferramentas de trabalho

Aaah, o sonho de consumo, essa ganância que nos invalida a moral, aqueles dois saquinhos que ficam bem ali embaixo...

Estou falando dos bolsos!

E artista, sabe como é, né? Não compra calça jeans, sapato bacana, óculos de sol de 3 mil reais, relógios, carrão... não vai pro pagodão, não viaja pra lugares tropicais, ensolarados... Não!

Tá, não pensem em artista que vai pra Trancoso, Arraial D’ajuda, Tomé das Letras... Tô falando daquele que compra livro e depois que compra muitos livros, compra mais, aí quando cansa de comprar livro, compra tintas e mais tintas e volta a comprar livros. Por fim compra uma bicicleta porque fica o dia todo sentado (e bicicleta dá pra se exercitar sentado) porque ele acredita no ócio criativo, mas precisa mexer mais a caveira e se mirar no horizonte.

Então, em vez de um paraíso tropical, lá vai ele: Louvre, em pleno inverno. Pimba! Moscou... Holanda... e dá-lhe livros!

Então compra mais tinta... papéis de 500 reais o metro quadrado, telas, pigmentos, canet…