Pular para o conteúdo principal

fanart como aquecimento com calvin e haroldo

Muitas vezes tiro uma horinha antes de começar a trabalhar, de acordo com a técnica que irei abordar para tal, fazendo uma espécie de aquecimento intelectual/artístico, se é que me entendem... Como uma espécie de alongamento antes dos exercícios físicos. 
Assim sendo, faço desenhos ou pinturas descompromissadas com qualquer coisa que venha a ser profissionalmente comercial e aproveito desse momento para satisfazer o meu eu, sem aquela coisa de ter que desenhar só para clientes já que nós, artistas gráficos, quase nunca temos tempo de criar para nós mesmos.
Desta forma, aquarelei esse Calvin e Haroldo, do Bill Watterson que, para mim, é uma das maiores influências de todos os tempos em minha formação como autor de quadrinhos. Seja no humor,  no universo inocente e irônico, fantasioso, nas discussões amorosas e nos contestamentos infantis ou nas técnicas de trabalho de Watterson, nos movimentos dos seus desenhos, nas pinceladas de nankin, nas aquarelas de algumas capas... Seja como for, o trabalho de Watterson sempre esteve - junto ao de Will Eisner e Laerte, por incrível que pareça - em primeiro lugar das minhas prateleiras cerebrais de grandes influências.
Fica registrado aqui minha homenagem a estes dois valiosos personagens de nossa literatura quadrinística, nessa fanart que foi o meu desenho de aquecimento de um domingo qualquer, pela manhã.



À seguir, imagens do processo. Desde os primeiros rabiscos com grafite azul, só para delimitar o espaço e marcar os movimentos das personagens e, conseguinte, o traço em grafite preto para finalizar a imagem. Depois, levei o rascunho a uma mesa de luz e transpus a arte para o papel aquarela.
Já que se tratava só de um aquecimento, usei um papel inferior, de menor custo (mesmo muitos defendendo que até para estudar deve-se investir em materiais de boa qualidade). Bom, concordo, mas prefiro usar e abusar de tudo o que estiver à mão e com isso escolhi pelo mais simples e mais barato.
Tracejado no papel para aquarela com lápis 6B e grafite vermelho B, 07, prendi o mesmo na prancheta com fita adesiva e borrifei água para hidratar o papel. Após alguns minutos, não totalmente seco, ainda úmido, comecei a pintar. Primeiramente, as cores de base, mais claras e, conseguinte, definindo os detalhes, pequenos volumes e pequenas sombras. Nada muito exagerado para não perder o sentido cômico da arte.
Espero que curtam essa parte do trabalho, também. O processo criativo, para mim, sempre é mais importante que o resultado final. O resultado final é só do cliente e, tenha certeza, ele vai querer que você mude algo.










Postagens mais visitadas deste blog

composição, cores quentes e frias, iluminação e clima.

Por mais simples que seja, sua arte pode ficar ainda mais rica quando se tem todo um propósito estético em cada aresta.
O que mais me chama a atenção nessa imagem foi o fato deu a tê-la desenhado em rascunho, no sketchbook, sem a mínima pretensão de criar esse clima todo em torno do momento apresentado. Mas, quando pensei em pintá-la, já comecei a dar forma, em pensamento, à sua atmosfera.
Na composição, de cara, temos uma luminária externa no centro exato da cena. O ambiente é noturno e só se percebe isso pela iluminação que nos mostra a noite estrelada ao fundo. À direita temos um close fechado nos detalhes de um pedaço de muro e uma janela (supostamente uma casinha de esquina), iluminada pela luz artificial. Percebe-se que a luminária substitui a luz da lua e cria sombras projetadas na parede da casa em cima de cores quentes, propositadamente, para aquecer um ambiente frio, mostrado pelas mangas compridas da blusa da personagem. Por fim, podemos perceber as duas metades da composição …

a importância da qualidade das ferramentas de trabalho

Aaah, o sonho de consumo, essa ganância que nos invalida a moral, aqueles dois saquinhos que ficam bem ali embaixo...

Estou falando dos bolsos!

E artista, sabe como é, né? Não compra calça jeans, sapato bacana, óculos de sol de 3 mil reais, relógios, carrão... não vai pro pagodão, não viaja pra lugares tropicais, ensolarados... Não!

Tá, não pensem em artista que vai pra Trancoso, Arraial D’ajuda, Tomé das Letras... Tô falando daquele que compra livro e depois que compra muitos livros, compra mais, aí quando cansa de comprar livro, compra tintas e mais tintas e volta a comprar livros. Por fim compra uma bicicleta porque fica o dia todo sentado (e bicicleta dá pra se exercitar sentado) porque ele acredita no ócio criativo, mas precisa mexer mais a caveira e se mirar no horizonte.

Então, em vez de um paraíso tropical, lá vai ele: Louvre, em pleno inverno. Pimba! Moscou... Holanda... e dá-lhe livros!

Então compra mais tinta... papéis de 500 reais o metro quadrado, telas, pigmentos, canet…