Pular para o conteúdo principal

"sketchando" para o Sopro Sagrado

Então antes que fique tarde demais vou lhes apresentar os primeiros rascunhos feitos há algumas datas para os quadrinhos de O Sopro Sagrado - A Grande Epopéia, quando da criação das características das personagens (o roteiro já estava quase pronto). Perecebe-se no decorrer que ninguém é mais como era antes mas no fundo ainda existe uma característica peculiar. Houveram estudos para mudanças do traço, do tratamento de cores, de técnicas, etc. Já tá tudo definidinho e as páginas já começaram a ser rabiscadas. Nada é mais como nos sketchs, onde não há muita ou quase nenhuma preocupação com certas regras de anatomia, luz e sombra, pois experimenta-se por todos os lados... Se bem que eu gosto muito de brincar com isso de maneira que a regra não interfira e que as "licenças poéticas" dos traços não prejudiquem o trabalho, mas os enriqueçam.
Claro que quem vem acompanhando já viu essas artes antes, publicadas aqui e ali, principalmente na minha página do Facebook. Mas o fato é que tem muita coisa que eu não posso mostrar, ainda. Mostrar certas imagens de estudos, rascunhos, finalizadas ou não, até mesmo os roughs, acarretaria numa grande entrega do conteúdo e essa surpresa tem que ficar pra mais tarde, quando, ao menos, o primeiro capítulo já estiver finalizado e publicado na página oficial. À partir daí muita coisa vêm à tona, inevitável!
Ah, sim, não esperem por mulheres gostosas com 1200ml de silicone em cada seio, bundas exuberantes e roupas colantes que vai deixar qualquer marmanjo com os hormônios à flôr da pele ou homens extremamente marombados com as coxas de touro e os queixos maiores que os ombros! Não, em O Sorpro Sagrado não haverá nada disso e muito menos relações sexuais (que pena!)... o clima é tenso, não haverá tempo de ninguém querer ser feliz antes do fim do mundo!









Postagens mais visitadas deste blog

composição, cores quentes e frias, iluminação e clima.

Por mais simples que seja, sua arte pode ficar ainda mais rica quando se tem todo um propósito estético em cada aresta.
O que mais me chama a atenção nessa imagem foi o fato deu a tê-la desenhado em rascunho, no sketchbook, sem a mínima pretensão de criar esse clima todo em torno do momento apresentado. Mas, quando pensei em pintá-la, já comecei a dar forma, em pensamento, à sua atmosfera.
Na composição, de cara, temos uma luminária externa no centro exato da cena. O ambiente é noturno e só se percebe isso pela iluminação que nos mostra a noite estrelada ao fundo. À direita temos um close fechado nos detalhes de um pedaço de muro e uma janela (supostamente uma casinha de esquina), iluminada pela luz artificial. Percebe-se que a luminária substitui a luz da lua e cria sombras projetadas na parede da casa em cima de cores quentes, propositadamente, para aquecer um ambiente frio, mostrado pelas mangas compridas da blusa da personagem. Por fim, podemos perceber as duas metades da composição …

a importância da qualidade das ferramentas de trabalho

Aaah, o sonho de consumo, essa ganância que nos invalida a moral, aqueles dois saquinhos que ficam bem ali embaixo...

Estou falando dos bolsos!

E artista, sabe como é, né? Não compra calça jeans, sapato bacana, óculos de sol de 3 mil reais, relógios, carrão... não vai pro pagodão, não viaja pra lugares tropicais, ensolarados... Não!

Tá, não pensem em artista que vai pra Trancoso, Arraial D’ajuda, Tomé das Letras... Tô falando daquele que compra livro e depois que compra muitos livros, compra mais, aí quando cansa de comprar livro, compra tintas e mais tintas e volta a comprar livros. Por fim compra uma bicicleta porque fica o dia todo sentado (e bicicleta dá pra se exercitar sentado) porque ele acredita no ócio criativo, mas precisa mexer mais a caveira e se mirar no horizonte.

Então, em vez de um paraíso tropical, lá vai ele: Louvre, em pleno inverno. Pimba! Moscou... Holanda... e dá-lhe livros!

Então compra mais tinta... papéis de 500 reais o metro quadrado, telas, pigmentos, canet…